O inverno de 2019.

O inverno astronômico começou hoje às 12 horas e 54 minutos com o solstício do inverno, quando nosso hemisfério está menos inclinado em direção ao sol, e assim recebendo menos energia. O inverno deste ano estará sob a influência do El Niño fraco, beirando a neutralidade climatológica.

Dados do NCEP (Center for Weather and Climate Prediction) indica esse fenômeno de forma fraca, e a partir de julho o início da neutralidade climatológica (figura 1).

Figura 1: Previsão para anomalias no El Niño. Fonte: NCEP/NOAA – Center for Weather and Climate Prediction – National Weather Service – EUA.

Já dados do IRI (International Research Institute for Climate and Society ) indica a continuação desse fenômeno de forma fraca até janeiro de 2019 (figura 2).

Figura 2: Modelo de probabilidade de El Niño – IRI ENSO. Fonte: International Research Institute for Climate and Society – Earth Institute – Columbia University – EUA.

As características mais gerais do El Niño para a região sul é maior precipitação e calor. Na neutralidade temos uma maior variação. Lembrando que o mês de maio tivemos chuvas 60% acima da média histórica para a região, contudo nesse mês de junho, até a presente data, e sem indicativos de volumes mais intensos, terminará com chuvas abaixo da média. Até hoje choveu somente 31% do esperado para o mês. Quanto as temperaturas estão mais altas, entorno de 2,5°C acima da média das mínimas e máximas.

Dito isso os modelos não indicam consenso. Alguns colocam chuva acima da média, principalmente para o Rio Grande do Sul e para o sul de Santa Catarina (setembro).

O que esperar para nosso inverno? Em termos de chuva ficará na média e abaixo da média para os meses de julho e agosto, e na média para o mês de setembro. Quanto as temperaturas ficarão acima da média para o trimestre de julho/agosto/setembro. Contudo o frio mais intenso será por meio de ondas de frio, ou seja, períodos menores de frio após passagem de frentes frias mais fortes.

O comportamento esperado (histórico) da média das temperaturas máximas e mínimas para esse trimestre é de 21,0/22,0/22,4°C e 12,0/13,0/14,4°C respectivamente. Para as chuvas são 120/92/145 mm. Os ventos predominantes são de sudoeste para julho e nordeste para agosto e setembro.

Nessa estação também temos a intensificação de nevoeiros, principalmente os radiativos. Esses se desenvolvem pelo esfriamento intenso do solo que condensa o ar acima, e se dissipam com a chegada do sol.

A primavera de 2017.

A primavera astronômica começará nessa sexta-feira às 17horas e 2 minutos. Nesse dia teremos o “Equinócio de Primavera” no hemisfério sul, quando o dia e a noite tenham a mesma duração. A primavera climatológica começou com o mês de setembro. A primavera é sentida principalmente nas médias latitudes ou climas temperados. É uma estação de transição, ou seja, primeira parte mantém as características de inverno e a segunda metade características de verão. Na região sul também traz chuvas mais abundantes, já que o inverno é a estação menos chuvosa. As temperaturas também vão subindo gradativamente em direção ao verão.

Essa primavera estará sob o domínio da La Niña, mas de intensidade fraca e depois a neutralidade se manterá no mínimo até abril de 2018 (figura abaixo). Como característica geral a La Niña traz para a região sul menor precipitação, mais no sentido de irregularidade espacial e temporal, e temperaturas mais amenas. Já a neutralidade uma maior irregularidade na precipitação e temperatura.

Fonte: Modelo do Previsão – IRI ENSO – International Research Institute for Climate and Society – Earth Institute – Columbia University – EUA.

Quando falamos de clima futuro, nos reportamos ao consenso. Os modelos internacionais apontam precipitação na média ou abaixo da média para outubro. Para os meses de novembro e dezembro na média para o litoral e acima da média para o interior do estado. Os modelos nacionais colocam chuva na média para outubro. Para os meses de novembro e dezembro há uma pequena diferença entre a média e na média e abaixo da média.

Lembrando que estamos com estiagem desde julho. Nesse mês de setembro, até hoje, só choveu 3% da média para o mês, que é de 145 mm. Para os meses de outubro, novembro e dezembro a média de chuva é 157, 152 e 162 mm respectivamente.

Os modelos atuais colocam chuva a partir de domingo e para a próxima semana em torno de 50 mm. Mesmo com esses totais, o mês de setembro deverá terminar com precipitação abaixo da média, inferior a 50% do esperado. Para primeira semana de outubro o esperado será em torno de 15 mm, ainda pouco para recuperar a estiagem.

Tanto os modelos internacionais e nacionais colocam que as temperaturas para o trimestre de outubro, novembro e dezembro ficará próxima a média ou levemente superior. A média das temperaturas máxima e mínimas são: 24,4/16,6°C para outubro, 26,5/18,1°C para novembro e 28,3/19,7°C para dezembro.

Esse inverno vem apresentando temperaturas superiores para a estação. Essa condição deverá permanecer nessa primavera.

 

O inverno de 2017.

O inverno astronômico começará no dia 21 desse mês à 1h24min com o solstício de inverno, e nossa noite mais longa do ano. É nessa estação do ano, na zona temperada, onde está o estado, que recebemos menos energia do sol e por isso temos um maior resfriamento climático. Como características gerais o inverno é a estação onde temos a menor precipitação e também as menores temperaturas.

O inverno deste ano estará sob a influência da neutralidade (com viés de alta), portanto não teremos nem La Niña como El Niño (figura abaixo). Essa condição se manterá no mínimo até o mês de janeiro de 2018.

Fonte: International Research Institute for Climate and Society, Earth Institute, Columbia University, USA.

Os prognósticos para precipitação para o inverno, ou seja, o trimestre de julho, agosto e setembro é de chuvas entre a média e acima da média histórica conforme os institutos nacionais, na forma de consenso. Já os modelos internacionais não mantêm consenso. Uma parte coloca que teremos chuva abaixo da média para o mês de julho e na média para agosto e setembro, e outra parte coloca chuva na média e abaixo da média para o trimestre. O boletim climático para o Rio Grande do Sul (DISME/INMET, CPPMet/UFPEL) que também abrange Santa Catarina coloca chuva dentro da média para o mês de julho e acima para o mês de agosto. As médias históricas para Itajaí são de 120 mm para julho, 92 mm para agosto e 145 mm para setembro.

Os prognósticos para temperatura colocam quase por consenso, para os modelos nacionais e internacionais, temperatura na média e acima da média histórica (normal climatológica). Para entender melhor as temperaturas para essa estação utilizamos a média das temperaturas máximas e mínimas. Para o mês de julho são 21/12°C, para agosto 22/13°C e para setembro 22,4/14,4°C. A temperatura mínima absoluta registrada em Itajaí foi em agosto de 1991 com 0,5°C negativo. Assim entendemos que o frio mais intenso estará associado a ondas de frio, ou seja, alguns dias de frio, como foi na semana passada e está previsto para essa semana.

Lembrando que nessa estação se intensificam as frentes frias, bem como a passagem de ciclones extratropicais.