Inverno 2020.

O inverno astronômico começará no próximo sábado às 18 horas e 44 minutos, pois o inverno climatológico começou no início de junho. O solstício de inverno, para nosso hemisfério, terá a noite mais longa do ano. O inverno para a região sul, e nossa região, é caracterizado pelas mais baixas temperaturas e menor precipitação do ano. Esse inverno estará sob a influência da neutralidade climatológica e da La Niña fraca. Condição que se manterá no mínimo até dezembro desse ano (figuras 1 e 2).

Figura 1: Modelo de probabilidade de El Niño – IRI ENSO.  Fonte: International Research Institute for Climate and Society – Earth Institute – Columbia University – EUA.
Figura 2: Previsão para anomalias no El Niño. Fonte: NCEP/NOAA – Center for Weather and Climate Prediction – National Weather Service – EUA.

Os modelos climatológicos nacionais e internacionais não indicam consenso para a precipitação, mas apontam para a mesma direção na temperatura.

Para os modelos nacionais teremos chuva na média e acima da média histórica para o litoral, com anomalias de até 50 mm. Para o interior do estado na média, e abaixo da média para a região oeste. Os modelos internacionais apontam algumas diferenças. Para os meses de julho e setembro chuvas dentro da normalidade. Para o mês de agosto dentro da normalidade e acima da normalidade. Os registros históricos para a região de Itajaí indicam volumes de 113, 89 e 143 mm para o trimestre de julho, agosto e setembro respectivamente. Cabe aqui ponderar que nesses seis meses do ano tivemos 4 meses (janeiro, março, abril e maio) com chuvas abaixo da média histórica nos levando a uma crise hídrica, e dois meses acima da média histórica (fevereiro e junho). Nesse mês de junho as chuvas, até a presente data, atingiram 42% acima da média histórica, com boa distribuição temporal, minimizando a estiagem.

Quanto a temperatura é sempre bom usar a média das mínimas e máximas, pois são mais próximas do que acontece no dia a dia. As médias para os meses de julho são de 12/21°C, agosto de 13/22°C e setembro de 14/23°C. Os modelos, em geral, indicam temperaturas na média ou acima da média histórica. Esse ano as médias das mínimas estiveram abaixo da série histórica todos os meses, com exceção de junho. Já para as máximas fevereiro, março e abril também abaixo, e levemente acima para janeiro, maio e junho. Isso se deve a influência da neutralidade climatológica.

Vale ressaltar o predomínio do vento sudoeste para junho e julho, e de nordeste para agosto e setembro. A umidade relativa do ar continuará acima dos 80% em média.

Como curiosidade de temperaturas extremas (mínimas e máximas absolutas). Frio intenso com 0,2°C em julho de 1982, 0,5°C negativo em agosto de 1991 e 3,4°C em setembro de 1981. Também tivemos calor sufocante com 31,2°C em julho de 2006, 36°C em agosto de 1993 e 37°C em 2006.

Finalizando, temos maior passagens de frentes frias pela região, entradas de massa de ar polar e ondas de frio. Aumento também de ciclones extratropicais que trazem ressaca em nossas praias e de nevoeiros.

Bom inverno a todos. Para alguns estação detestável, para outros, a mais charmosa do ano.

Calor no decorrer da semana.

A circulação marítima atua sobre o litoral até quinta-feira, pois na sexta-feira uma nova frente fria se deslocará em direção ao estado, pelo oceano. Dessa forma teremos muita nebulosidade com chuva fraca nessa terça, quarta e madrugada de quinta-feira. Depois o sol voltará e as temperaturas aumentarão em direção ao fim de semana. O inverno começará no sábado com calor. Observe a imagem de satélite muitas nuvens sobre o litoral catarinense.

Imagem do satélite GOES 16/NOAA/EUA – Canal do Infravermelho + realce – dia -16/06/2020 – Hora local: 06:00 – Sul do Brasil. Fonte: Instituto Nacional de Meteorologia (INMET) modificado por LabClima/UNIVALI.

Entre essa terça e quinta-feira teremos muitas nuvens, pequenas aberturas de sol e chuva fraca a qualquer momento. Essa condição permanecerá até a madrugada de quinta-feira. Para sexta-feira, sábado e domingo bons períodos de sol, sem chuva.

Temperaturas mais amenas para terça, quarta e quinta-feira com mínimas entre 16/18°C e máximas entre 21/25°C. Para sexta-feira e fim de semana aumento das temperaturas com máximas entre 26/30°C. Ventos de nordeste para hoje e amanhã, e entre noroeste e nordeste até o final de semana. Rajadas fracas a suaves, menores que 20 km/h, com exceção de amanhã.

Ondas variando entre sudeste e leste conforme a praia. Meio metro para hoje e amanhã com tendência de subida. Séries maiores que 1 metro a partir de sexta-feira.

Chuva mais significativa e frio, somente a partir da quinta-feira da próxima semana. Sobre o inverno trataremos na sexta-feira.

O inverno de 2019.

O inverno astronômico começou hoje às 12 horas e 54 minutos com o solstício do inverno, quando nosso hemisfério está menos inclinado em direção ao sol, e assim recebendo menos energia. O inverno deste ano estará sob a influência do El Niño fraco, beirando a neutralidade climatológica.

Dados do NCEP (Center for Weather and Climate Prediction) indica esse fenômeno de forma fraca, e a partir de julho o início da neutralidade climatológica (figura 1).

Figura 1: Previsão para anomalias no El Niño. Fonte: NCEP/NOAA – Center for Weather and Climate Prediction – National Weather Service – EUA.

Já dados do IRI (International Research Institute for Climate and Society ) indica a continuação desse fenômeno de forma fraca até janeiro de 2019 (figura 2).

Figura 2: Modelo de probabilidade de El Niño – IRI ENSO. Fonte: International Research Institute for Climate and Society – Earth Institute – Columbia University – EUA.

As características mais gerais do El Niño para a região sul é maior precipitação e calor. Na neutralidade temos uma maior variação. Lembrando que o mês de maio tivemos chuvas 60% acima da média histórica para a região, contudo nesse mês de junho, até a presente data, e sem indicativos de volumes mais intensos, terminará com chuvas abaixo da média. Até hoje choveu somente 31% do esperado para o mês. Quanto as temperaturas estão mais altas, entorno de 2,5°C acima da média das mínimas e máximas.

Dito isso os modelos não indicam consenso. Alguns colocam chuva acima da média, principalmente para o Rio Grande do Sul e para o sul de Santa Catarina (setembro).

O que esperar para nosso inverno? Em termos de chuva ficará na média e abaixo da média para os meses de julho e agosto, e na média para o mês de setembro. Quanto as temperaturas ficarão acima da média para o trimestre de julho/agosto/setembro. Contudo o frio mais intenso será por meio de ondas de frio, ou seja, períodos menores de frio após passagem de frentes frias mais fortes.

O comportamento esperado (histórico) da média das temperaturas máximas e mínimas para esse trimestre é de 21,0/22,0/22,4°C e 12,0/13,0/14,4°C respectivamente. Para as chuvas são 120/92/145 mm. Os ventos predominantes são de sudoeste para julho e nordeste para agosto e setembro.

Nessa estação também temos a intensificação de nevoeiros, principalmente os radiativos. Esses se desenvolvem pelo esfriamento intenso do solo que condensa o ar acima, e se dissipam com a chegada do sol.