Primavera de 2022

A primavera astronômica começará nesta quinta-feira às 22 horas e 4 minutos com o equinócio da primavera no hemisfério sul. A estação nesse ano estará sob a influência da La Niña com intensidade fraca (figuras 1 e 2). Os modelos indicam para outubro e novembro temperaturas negativas no Oceano Pacífico de 1,1°C e 0,9°C para dezembro. Lembrando que La Niña é um fenômeno oceano-atmosférico de resfriamento anormal das águas tropicais do Oceano Pacífico. O padrão é a partir de 0,5°C negativos. A partir de fevereiro de 2023 teremos neutralidade climatológica (entre 0,5°C negativo e positivo). Como característica geral para a região sul a La Niña traz irregularidade para precipitação, tanto espaço como temporalmente, ou seja, vários dias sem chuva e depois chove intensamente num período curto. Estiagem ou seca numa região e noutra não. Cabe ressaltar que junto ao litoral essas condições são amenizadas pela evaporação do oceano, circulação marítima, que trazem chuva convectiva local. Para a temperatura o efeito é de valores abaixo da média histórica. Teremos dias com muito calor, outros nem tanto, mas ao final da estação, será um pouco mais fria que o esperado.

Figura 1: Previsão para anomalias no El Niño. Fonte: NCEP/NOAA – Center for Weather and Climate Prediction – National Weather Service – EUA.
Figura 2: Modelo de probabilidade de El Niño – IRI ENSO. Fonte: International Research Institute for Climate and Society – Earth Institute – Columbia University – EUA.

Não existe consenso entre os modelos internacionais, e nem mesmo, para os nacionais. O INMET (Instituto Nacional de Meteorologia) indica totais de chuva para o trimestre de outubro, novembro e dezembro de 500 mm para o litoral central e norte, que estaria próximo da normalidade para nossa região. Se considerarmos os valores de anomalia mensal esse modelo indica 35% de probabilidade de chuva na média/abaixo da média para outubro, 60% para novembro e 45% para dezembro. O modelo NCEP/NOAA (Center for Weather and Climate Prediction – National Weather Service) indica precipitação dentro da normalidade. O modelo IRI/Columbia (International Research Institute for Climate and Society – Earth Institute – Columbia University) indica probabilidade de 40% de chuva na média/abaixo da média histórica para outubro e novembro e dentro da média para dezembro. Esse ano já começou com La Niña. Tivemos chuva abaixo da média nos meses de janeiro, fevereiro, abril e julho. Na normalidade em março e junho. Acima da média os meses de maio e agosto. O mês de setembro, até hoje, choveu 81% do esperado. A média histórica de Itajaí para o trimestre é de 152 mm para outubro, 151 mm para novembro e 162 mm para dezembro. Observando a maioria dos modelos ficaremos próximo disso.

Quanto as temperaturas os modelos nacionais apontam para probabilidade de 40% na média/abaixo da média para outubro, dentro da média para novembro e 60% na média/abaixo da média para dezembro. Anomalias médias de 0,2°C negativos para esse trimestre. O modelo do NCEP/NOAA coloca temperaturas na média histórica. Já o modelo IRI/Columbia indica probabilidade entre 40/45°C na média/abaixo da média para outubro e novembro, e na média para dezembro. O valor mensal da média das máximas e mínimas de Itajaí, mais próximo do que acontece diariamente, são de 24,6/16,9°C para outubro, 26,6/18,4°C para novembro e 28,6/20,0°C para dezembro.

Outros dados para essa primavera. A média da umidade relativa do ar para esse trimestre em Itajaí fica entre 80 e 82%. Pelos dados históricos o vento de nordeste predomina nesse período.

Finalizando é sempre bom lembrar que essa é uma estação de transição. Assim na sua primeira parte tem características de inverno com temperaturas mais amenas e na segunda do verão, com calor presente.

Inverno de 2022

Amanhã às 6 horas e 14 minutos começará o inverno astronômico com o solstício de inverno de 2022. O dia será mais curto e a noite mais longa. Essa é uma característica dessa estação, e assim será nos próximos dias, com amanhecer tardio e anoitecer mais cedo. Esse inverno estará sob a influência da La Niña com intensidade fraca. A La Niña atua desde julho de 2021 (figura 1), e se manterá no mínimo até novembro (figura 2). A La Niña tem como características gerais para a região sul temperaturas mais amenas, ou seja, o inverno mais frio, um verão mais fresco. Também influencia o regime de chuvas, trazendo irregularidade na precipitação, tanto no espaço, como no tempo. Assim pode chover bem numa região, e noutra não. Estiagem, e logo após, chuvas concentradas. Lembrando que a intensidade está fraca, e assim atenua essas características, como também outros fatores regionais e locais que influenciam.

Figura 1: Previsão para anomalias no El Niño. Fonte: NCEP/NOAA – Center for Weather and Climate Prediction – National Weather Service – EUA.

Figura 2: Modelo de probabilidade de El Niño – IRI ENSO. Fonte: International Research Institute for Climate and Society – Earth Institute – Columbia University – EUA.

Não há um consenso entre os modelos internacionais e nacionais, mas algumas proximidades nos prognósticos. Quanto a precipitação para o trimestre de julho, agosto e setembro indicam chuva abaixo da média histórica. Alguns modelos colocam 50% de chance de chuva abaixo da média para julho, 40% para agosto e setembro. No interior do estado a chance aumenta para 50% em setembro. Quanto a anomalia negativa chance de 50 mm de chuva no litoral e 100 mm no interior. Importante lembrar que o inverno é a estação menos chuvosa na região sul, mas geralmente com histórico de chuvas bem distribuídas. A média histórica de chuva para julho é de 111 mm, de 90 mm para agosto e de 142 mm para setembro. Não se descarta a possibilidade de chuvas pontuais intensas no decorrer da estação.

Quanto a temperatura os modelos apresentam maiores discrepâncias. O modelo nacional do INMET (Instituto Nacional de Meteorologia) indica temperaturas na média/abaixo da média para julho e agosto, e na média/acima da média para setembro. O modelo internacional da Universidade da Columbia (EUA) coloca temperaturas na média para julho e setembro, e acima da média para agosto. O modelo americano do NCEP/NOAA (Center for Weather and Climate Prediction – National Weather Service) coloca temperaturas na média histórica, e alguma anomalia leve acima da média histórica. Utilizamos a média das temperaturas máximas e mínimas como melhor padrão para equalizar as temperaturas diárias. Para o mês de julho temperaturas de 21/12°C, 22/13°C para agosto e 23/14°C para setembro. A média histórica de dias com chuva para o trimestre é 11/10/13 dias respectivamente. É provável ondas de frio mais intensas durante o trimestre.

O vento predominante para o trimestre é de sudoeste em julho, e nordeste para agosto e setembro. A média da umidade relativa do ar histórica é de 85% para o trimestre.

Outras características do nosso inverno são os nevoeiros nas madrugas e amanhecer, bem como, mais isoladamente, os nevoeiros marítimos. Temos a maior passagem de sistemas frontais frios. Ocorrência de ciclones mais ou menos intensos, que dependendo da posição, trazem ventos mais intensos sobre o estado. Quando no oceano facilitam a ocorrência da maré meteorológica sobre o litoral e seus efeitos – ressaca e alagamentos dos baixios.

Ótimo inverno à todos nessa estação charmosa.

Final de semana com nebulosidade variável e chuva isolada.

Ontem passou uma frente fria pela região. Trouxe chuva para o extremo oeste catarinense, e muita calor para o litoral, e deixou alguma nebulosidade junto ao litoral central e norte. Uma massa de ar polar se desloca entre o Uruguai e o Rio Grande do Sul em direção ao oceano. No sábado a tarde ela já estará sobre o oceano facilitando a circulação marítima, e sua maior variação na nebulosidade. Observe a imagem de satélite desse início de manhã nuvens no litoral centro-norte de Santa Catarina.

Imagem do satélite GOES 16/NOAA/EUA – Canal do Visível – dia 20/03/2020 – Hora local: 07:20 – Sul do Brasil. Fonte: RAMSDIS Online – Central and South America and the Caribbean, Cooperative Institute for Research in the Atmospere, Colorado State University, EUA, modificado por LabClima/UNIVALI.

Para essa sexta-feira, sábado e domingo o sol aparecerá acompanhado das nuvens. Alguns momentos de maior presença delas, e nesses períodos, chance de chuva fraca isolada. Para sábado maiores períodos de sol e menor chance de chuva. A próxima semana continuará nas mesmas condições de nebulosidade variável com chuva fraca isolada. Totais menores que 20 mm.

As temperaturas mínimas ficarão entre 18/22°C e as máximas entre 27/32°C. Ventos variando entre sudoeste e sudeste. Rajadas mais fortes para essa sexta-feira à tarde.

Ondas variando entre sudeste e leste conforme a praia. O tamanho médio menor que meio metro.

O outono começou!

Nessa madrugada (00h50min) começou o outono astronômico com seu equinócio (mesma duração de dia/noite). Esse ano estaremos em neutralidade climatológica com viés para La Niña fraca (figura 2). Os modelos indicam chuva dentro da normalidade, e levemente acima da normalidade junto ao litoral, para os meses de maio e junho. Para o interior abaixo da normalidade. As temperaturas ficarão dentro da normalidade no litoral e acima da média no interior. Lembrando que o outono é uma estação de transição, ou seja, primeira parte com características de verão, e segundo mais próxima do inverno. A uma diminuição natural das chuvas e das temperaturas.

Figura 2: Modelo de probabilidade de El Niño – IRI ENSO.  Fonte: International Research Institute for Climate and Society – Earth Institute – Columbia University – EUA.

A primavera de 2019.

Orquídea silvestre. Fonte: Autor.

A primavera astronômica (equinócio) começará nessa segunda-feira (23) às 4 horas e 50 minutos. A primavera climatológica começou junto com setembro. O equinócio é quando noite e dia tem a mesma duração. A primavera é uma estação de transição, primeira parte com características do inverno, segunda parte do verão. Suas maiores características são sentidas nas zonas temperadas, e menor nas zonas quentes e frias. É uma estação de transição, tanto, que começará com frio devido a influência de uma massa de ar polar sobre a região sul.

A primavera desse ano estará sob a influência da neutralidade climatológica (figura 1), ou seja, nem El Niño que terminou (figura 2), e nem La Niña.

Figura 1: Modelo de probabilidade de El Niño – IRI ENSO. Fonte: International Research Institute for Climate and Society – Earth Institute – Columbia University – EUA.

Figura 2: Previsão para anomalias no El Niño. Fonte: NCEP/NOAA – Center for Weather and Climate Prediction – National Weather Service – EUA.

A principal característica da neutralidade climatológica é a variação (temporal e espacial), tanto para precipitação como para temperatura. Chove mais num lugar, menos noutro. Esfria bem, logo em seguida esquenta, ou vice-versa. Os modelos internacionais apontam tendências mais próximas. Para precipitação ficaria igual ou acima da média para os meses de outubro e novembro, e dentro da média histórica para dezembro. Quanto a temperatura igual ou acima da média para outubro, e dentro da média para novembro e dezembro. O Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC) do Instituto de Pesquisas Espaciais (INPE) coloca chuva e temperatura igual e acima da média histórica para o trimestre. O Instituto Nacional de Meteorologia (INMET) junto com a Universidade Federal de Pelotas (UFPel) no seu Boletim Climático para o Rio Grande do Sul, que cobre também nosso estado, indica chuva dentro da média para os meses de outubro e dezembro, e igual e abaixo da média para novembro. Quanto as temperaturas ficariam dentro da média histórica.

Para a região de Itajaí as médias históricas para precipitação são de 155, 150 e 161 mm para o trimestre outubro, novembro e dezembro. Quanto a temperatura adotamos a média das mínimas e das máximas, pois seria o comportamento médio esperado para o trimestre. Para as mínimas valores de 16,8°C, 18,3°C e 20,0°C. Para as máximas 24,7°C, 26,7°C e 28,7°C respectivamente.

A média dos dias de chuva, onde ocorre alguma precipitação, são de 15 dias para outubro e novembro e de 16 dias para dezembro. O vento predominante muda para a direção de nordeste, e secundário de sudoeste para outubro, sudeste para novembro e norte para dezembro.

Lembrando que pela aproximação do sul do continente temos entrada de frentes frias e suas consequências até o fim da primavera, ou seja, mesmo que tardiamente pode ocorrer ondas de frio. Outros reflexos desses sistemas são maré meteorológica e seus impactos na costa.

Ótima primavera a todos.