Nosso inverno de 2018.

O inverno astronômico começará amanhã (21) às 7 horas e 7 minutos e terminará no dia 22 de setembro. O inverno astronômico está ligado ao solstício de inverno, onde teremos a noite mais longa do ano, por receber menor quantidade de radiação. O inverno climatológico começou com o mês de junho.

O nosso outono não foi influenciado nem por La Niña como pelo El Niño, ou seja, estávamos sob neutralidade climatológica. A mesma prevalecerá até o final do inverno, quando a tendência é irmos para as condições de El Niño, mas por enquanto com intensidade fraca. A neutralidade traz uma maior variação para nosso clima. Observe a figura abaixo com o prognóstico do El Niño/La Niña para os próximos meses.

Fonte: International Research Institute for Climate and Society, Earth Institute, Columbia University, USA.

Qual comportamento esperado? Os principais modelos apresentam algumas diferenças. Para a temperatura apontam que a mesma ficará dentro da normalidade ou levemente acima, algo não superior a 1°C. Para a precipitação dentro da normalidade ou levemente acima para agosto e em menor escala para setembro.

Nosso outono já foi com pouco chuva. Somente o mês de março choveu mais que a média histórica. Os meses de abril, maio e até agora junho, com chuvas na metade do que era esperado.

O inverno historicamente é a estação de menor precipitação no sul do Brasil e também em nossa região. A média histórica é de 120 mm para julho, 92 mm para agosto e 145 mm para setembro em Itajaí.

Vamos pensar em temperatura. O comportamento mais próximo do dia a dia é a média das mínimas e máximas. Assim a média das mínimas para o trimestre de julho, agosto e setembro é respectivamente de 12, 13 e 14,4°C. Já as máximas são 21, 22 e 22,4°C.

Um exemplo: a média das mínimas esperadas em junho é de 12,9°C e a máxima de 21,9°C. Hoje tivemos mínima de 15,3 e máxima de 23,4°C, ou seja, foi um dia mais quente que o esperado.

No mês de agosto de 1991 ocorreu a menor mínima em Itajaí com 0,5°C negativo (recorde de frio). A máxima no inverno foi em agosto de 1993 com 36°C (recorde de calor para o inverno).

No inverno temos um maior número de passagens de frentes frias. Temos uma nessa sexta-feira e outra no domingo. A de sexta-feira pouco alterará o tempo bom, mas a de domingo trará chuva. Também aumenta as condições de nevoeiros mais densos, bem como ciclones extratropicais que trazem reflexos em nossa costa.

Finalizando o inverno começara com tempo bom. O sol aparece com alguma variação na nebulosidade e nevoeiros isolados. A chuva chegará no domingo à tarde.

No mais aproveitem essa estação charmosa.

O que esperar do nosso outono?

O outono climatológico começou junto com o mês de março. Hoje às 7h29min. começou o outono astronômico com seu equinócio, ou seja, noite e dia com mesma duração. A primeira metade do outono tem cara de verão, a segunda cara de inverno, pois é uma estação de transição. Até o fim dessa estação estaremos com neutralidade climatológica com viés de baixa, ou seja, nem El Niño, nem La Niña. Essa condição permanecerá até o fim do ano, mas com viés de alta a partir de julho(observe a figura).

Figura: Gráfico da probabilidade para ENSO (El Niño Oscilação Sul). Fonte: International Research Institute for Climate and Society, Earth Institute, Columbia University, EUA.

Os modelos internacionais e nacionais apontam por consenso chuvas abaixo da média (chance em torno de 40%) para os meses de abril e maio. Para junho chuvas na média. Contudo vale ressaltar que a previsão para o verão era idêntica. Quando temos neutralidade as chances de variações temporais e espaciais são maiores, como ocorreu no verão. Contribui para isso também as temperaturas acima da média para o oceano Atlântico, que facilitam as chuvas convectivas (provocadas pelo calor). Em Itajaí tivemos precipitações abaixo da média nos meses de dezembro, fevereiro e por enquanto para março. Só o mês de janeiro foi acima da média. Contudo houve irregularidades espaciais nesse verão, onde choveu bem acima da média em Itapema e Camboriú, por exemplo. As médias de chuva para Itajaí no trimestre abril/maio/junho são de 124, 113 e 104 mm respectivamente.

As temperaturas devem ficar na média histórica e um pouco acima. O comportamento das temperaturas máximas para esse trimestre são de 27, 24 e 22°C e das mínimas em 18, 15 e 13°C.

Lembrando também que as frentes frias chegam com maior facilidade, e aumenta as chances para ciclones extratropicais.

Hoje uma frente fria desloca-se em direção a região sudeste. Ontem tínhamos áreas de instabilidade e a aproximação dessa frente fria. Com essas condições fez calor de 34,8°C com índice de calor de 47°C em Itajaí. Em Camboriú a sensação de calor chegou aos 50°C.

Continuaremos até o fim de semana com muitas nuvens, aberturas de sol e condições de chuva ocasional. Chance de trovoada para hoje, sábado e domingo. As temperaturas ficarão entre 19/30°C.

Outono de 2017.

O outono começa amanhã às 7 horas e 29 minutos com o equinócio de outono no hemisfério sul, onde o dia e a noite terão a mesma duração. Essa é uma estação de transição entre o verão e o inverno, e assim, em sua primeira metade está mais próxima do verão e na sua segunda metade mais próxima do inverno. Outras características são o aumento das passagens de frentes frias e de ciclone extratropicais, principalmente sobre o oceano.

Os modelos internacionais dessa semana colocam que estamos em neutralidade climatológica (nem El niño e La niña) com tendência de aquecimento. Essa condição se mantém no mínimo até junho. A partir de julho alguns apontam para um El niño fraco próximo da neutralidade (figura 1). Uma das características gerais da neutralidade é a inconstância, tanto de temperatura e precipitação. Apresenta uma grande variabilidade, por vezes um período maior sem chuva e de repente uma chuva concentrada.

Figura 1 – Probabilidade para ENSO em 2017. Fonte: IRI – International Research Institute for Climate and Society, Earth Institute, Columbia University, USA

A média histórica para o município de Itajaí das médias das temperaturas máximas e mínimas para os meses de abril, maio e junho são de 27°C, 24°C e 22°C (máximas) e 18°C, 15°C e 12°C (mínimas). Para precipitação os registros históricos indicam totais de chuva de 120, 110 e 105 mm para os mesmos meses.

Para esse outono o consenso dos modelos é que tenhamos chuva dentro da média e um pouco acima para os meses de maio e junho. Os modelos internacionais indicam para junho e os nacionais para maio. Quanto a temperatura deverá ficar na média e um pouco acima de média histórica. Modelos nacionais apontam o mês de abril dentro da média e levemente abaixo.

Como será o outono desse ano?

O outono astronômico começará no dia 20 desse mês às 1h30min. com o equinócio de inverno, onde o dia e a noite terão a mesma duração. O climatológico começou com o mês de março. Essa estação é marcada pela transição, ou seja, sua primeira metade mantém características do verão e a segunda metade característica do inverno. Começa quente e vai esfriando até chegar o inverno.

O outono desse ano começa sob a influência do El Niño, mas o mesmo está enfraquecendo, e terminará em Maio (figuras 1 e 2), onde entraremos num período de neutralidade climatológica. As características gerais do fenômeno El Niño na região centro sul são chuvas e temperaturas acima da média. Assim com o enfraquecimento do mesmo, essas características vão perdendo a força gradativamente. Contudo existe um período de transição entre 60 e 90 dias que se mantém a influência do mesmo. Conforme os institutos nacionais e internacionais esse El Niño de 2015/2016 foi equivalente aos de 1997/1998 e 1982/1983, ou seja, eventos considerados fortes.

Figura 1 - Anomalias positivas da temperatura da superfície do mar (TSM). Fonte: NOAA Center for Weather and Climate Prediction
Figura 1 – Anomalias positivas da temperatura da superfície do mar (TSM). Fonte: NOAA Center for Weather and Climate Prediction. Modificado pelo LabClima/UNIVALI.
Figura 2 - Previsão de consenso para ENSO - El Niño - Oscilação Sul. Fonte: International Research Institute for Climate and Society - Earth Institute - Columbia University. Modificado pelo LabClima/UNIVALI.
Figura 2 – Previsão de consenso para ENSO – El Niño – Oscilação Sul. Fonte: International Research Institute for Climate and Society – Earth Institute – Columbia University. Modificado pelo LabClima/UNIVALI.

Para questão da precipitação os modelos nacionais e internacionais por consenso colocam chuva na média e levemente acima da média para o trimestre março, abril e maio. Alguns modelos reforçam essa condição principalmente para o interior do estado. Por outro lado, o oceano Atlântico está com temperaturas acima da média favorecendo as chuvas convectivas (por causa do calor e evaporação do mar), que também favorecem volumes acima da média.

A climatologia (média histórica) de nossa região demonstra que as chuvas diminuem no outono e principalmente no inverno. Para março, abril e maio os totais de chuva para Itajaí são de 179, 123 e 112 mm respectivamente.

Vale ressaltar que alguns modelos colocam irregularidades tanto espacial como temporal em relação a precipitação no estado. Apesar do El Niño nos meses de janeiro e fevereiro desse ano tivemos chuva abaixo da média, ou seja, irregularidades na chuva.

Quanto a temperatura os modelos nacionais e internacionais indicam temperaturas acima da média histórica. A média das temperaturas máximas para os meses de março, abril e maio são de 28,8°C, 26,7°C e 24,0°C respectivamente. Já as médias das temperaturas mínimas são de 20,2°C, 18,2°C e 14,9°C para o trimestre. Para esse mês de março, por enquanto, não há previsão de temperaturas baixas. Ondas de frio podem ocorrer, mas principalmente a partir da segunda quinzena de abril.

Ressalta-se que nossa região tem muitas áreas de riscos (alagamento, enchentes, deslizamentos, ressacas entre outras) e assim devemos ficar atentos aos avisos dos institutos meteorológicos e da Defesa Civil Municipal.

O outono começa hoje à noite.

O outono astronômico começará hoje às 19h45min, ou seja, o equinócio de outono no hemisfério sul. O equinócio representa que as horas do dia e noite são iguais. O outono é uma estação de transição entre o verão e o inverno, onde a primeira metade mantém características do verão e a segunda metade assumindo características do inverno. Só percebemos o outono, como a primavera, com maior clareza nas médias latitudes (climas temperados ou subtropicais), onde essa estação fica mais evidenciada, principalmente pela temperatura.

Para a região de Itajaí essa estação traz temperaturas máximas de 27°C, 24°C e 15°C respectivamente e médias da mínimas de 18°C, 15°C e 13°C. Assim fica evidenciado a lenta diminuição da temperatura em direção ao inverno. Outra característica é a diminuição dos totais de chuva com 124 mm para Abril, 114 mm para Maio e 104 mm para Junho. Os sistemas frontais (frentes frias) também serão mais frequentes, bem como a passagem de ciclones extratropicais.

Os principais institutos nacionais com seus modelos apontam para a presença do El Niño, mas de forma fraca para esse outono. Os modelos nacionais colocam precipitação dentro da média histórica para o litoral e na média e acima da média para o interior do estado. Quanto as temperaturas ficarão na média e acima da média histórica.

Os modelos internacionais (NCEP-NOAA/IRI-COLUMBIA, etc.) corroboram com a presença do El Niño para essa estação. Quanto a temperatura esses modelos também indicam temperaturas acima da média histórica. Quanto a precipitação alguma divergência. Esses modelos colocam chuva na média e acima da média histórica para os meses de Abril e Maio no estado, e não somente no interior.

Importante ressaltar que as chuvas começam a diminuir no outono, mas principalmente na região sul devido a mudança do tipo de chuva. No verão as chuvas convectivas (pancadas de verão) prevalecem, mas com a presença também das chuvas frontais (passagem de frentes frias). O outono as chuvas convectivas diminuem e assim os totais também diminuem. Contudo nesse outono a temperatura da superfície do mar (TSM) do Atlântico Sul está mais quente, favorecendo a presença maior das chuvas convectivas. Assim é possível termos chuva acima da média histórica, mas sem prognósticos ou confirmação de volumes elevados nesse momento.